AGRO
ONDA AGÍL

Mesa Redonda de segurança pública sobre Bullying e Cyberbullying no ambiente escolar é realizada pela Alero durante 11ª RRSI

Data:

Na manhã da última terça-feira (21), a Assembleia Legislativa de Rondônia, por meio de sua Assessoria Militar, comandada pelo tenente-coronel da Polícia Militar, Emanoel Lourenço do Nascimento, realizou uma mesa redonda sobre bullying e cyberbullying durante a 11ª edição da Rondônia Rural Show, que acontece no Parque Tecnológico Vandeci Rack em Ji-Paraná.
Os palestrantes foram o coronel da reserva remunerado da PM, Marcos Cleito Freire Lopes, e o coronel do Corpo de Bombeiros de Rondônia, Francisco Pinto Andrade Araújo e a mediação ficou sob responsabilidade do tenente-coronel Emanoel Lourenço do Nascimento.
“Bullying é uma intimidação sistemática. Pode ser de qualquer natureza, mas precisa gerar incômodo a uma ou a um grupo de pessoas específico. Imaginem que alguém conte uma piada ou uma gracinha com alguém que não se sente à vontade com essa brincadeira, com essa piada. A gente diz nesse meio que certos comportamentos são engraçados e divertidos para que todos se sintam felizes”, explicou o coronel Marcos Freire.
Que segue: “Se uma pessoa não se sente confortável com isso, é hora de fazer uma reflexão se é interessante se continuar com essa brincadeira. Às vezes pode parecer algo simples, como não chamar um amigo para uma roda de conversa no intervalo da escola. O comportamento repetitivo e continuado dessa postura, ele é uma forma de intimidação sistemática, que é uma forma de bullying”.
O representante da Polícia Militar de Rondônia ainda reforça: “Você tem três figuras e uma situação de bullying, que é a vítima, quem causa o bullying e quem aparentemente não tem tanta importância, mas onde ela presença esse evento. Normalmente você tem um grupo de pessoas, onde uma pessoa tira uma brincadeira e caracteriza uma segunda pessoa como o bullying que é uma vítima. E tem um grupo de pessoas que testemunharam isso. O que acontece normalmente é a relação entre o causador e a vítima e essas pessoas não se posicionam, não adotam nenhum comportamento acerca desse comportamento ou postura”.  Estudantes de escolas públicas de Ji-Paraná Participam da atividade (Foto: Rafael Oliveira) Ele ainda dá dicas de perguntas que podem ser feitas para evitar a prática: “Existem questões: o quanto eu me preocupo com essa pessoa para que isso não aconteça e se torne algo repetitivo? A segunda coisa: o quanto estou preocupado com esse ambiente em torno de mim enquanto isso em um outro momento pode me afetar? Ou seja: eu posso ser a próxima vítima em potencial de isso acontecer. E isso estamos falando do bullying presencial”.
Marcos Freire ainda comentou o que é o “cyberbullying, que é uma intimidação virtual, que hoje incomoda milhares, milhões e até bilhões de pessoas. A pergunta que eu faço é: o que devo fazer para que isso não tome uma grande proporção, maior do que ela já tomou? Como eu devo agir quando encontro um amigo ou pessoa passando por isso? E o ciberbullying pode ser pior, pois eu posso estar no quarto e meus pais na sala. E sua imagem pode ser lançada junto a uma situação vexatória”.
Para o oficial aposentado da Polícia Militar de Rondônia, o melhor caminho ainda é uma conversa: “O primeiro passo é tentar demover aquela pessoa que está participando. A interferência ainda que momentânea, pode surtir o efeito, que ainda que uma pessoa que gera aquela condição, se sinta observada. Naquele primeiro momento, ela não pode parar aquilo que está fazendo, mas ela vai identificar que alguém viu seu comportamento não é adequado. A segunda dica é que vocês procurem pessoas que tenham mais experiência do que vocês. No ambiente escolar, pode ser um supervisor ou professor, por exemplo. Uma pessoa que possa orientar quais caminhos você pode seguir. O que não pode é você enfrentar esse distúrbio, essa anomalia sozinho”.
Para ele, em último caso, as autoridades deverão ser acionadas para combater a prática, que já é considerada crime. “Se a gente falar com a pessoa, conversar com as pessoas experientes da escola, chamei meus pais e não resolveu? Então chamamos as autoridades. Houve mudança nas leis, então aciona 190 ou chama na delegacia. Os policiais militares vão até o local e atenderão da melhor forma possível. Muitos desses problemas, apenas com conversas e tratativas são resolvidos”.
Marcos Freire ainda deixou uma mensagem no final de sua palestra: “O importante é que os alunos tenham empatia uns pelos outros e gerem um ambiente de paz e tranquilidade no ambiente escolar para que os estudantes desenvolvam suas atividades. Um evento desse quando acontece, tanto o bullying quanto o cyberbullying, é que o aluno é obrigado a frequentar um local que faz muito mal a ele. Então precisamos encontrar formas de lidar com isso, já que o foco é o aprendizado. Uma pessoa não pode deixá-la ir para a escola. Mas existem casos de pessoas que nunca mais voltaram à escola depois desses fatos. Isso é muito sério”.

Legislação
Antes da segunda palestra com o coronel do Corpo de Bombeiros de Rondônia, Francisco Pinto Andrade Júnior, foram descritos dois casos em que o bullying nas escolas foi executado em assassinatos em massa. Um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo.
“As novas leis realizaram duas tipificações de bullying que são crimes. E as pessoas têm que entender que é um assunto sério, pois quando o João sofre com isso, atinge todo o entorno do João. A sociedade toda é impactada. A família do João vai sofrer. As famílias dos amigos do João vão sofrer e os amigos dele vão sofrer. Somente em janeiro de 2024 foi tipificado o bullying e o cyberbullying como condutas infracionais. E o cyberbullying é considerado mais grave, porque o bullying acontece no ambiente escolar e o cyberbullying ocorre 24 horas todos os dias. E a gente não tem um parâmetro de onde isso vai parar”, afirmou o coronel do Corpo de Bombeiros de Rondônia, Andrade Júnior.
Ele continua: “E agora isso se tornou pior, porque existem até grupos de mensagens que são criados para falarem mal de determinadas pessoas. Isso é muito grave e prejudicial. Não podemos aceitar esse tipo de conduta e que isso se propague como algo certo. Uma brincadeira só é sadia quando todos participam e gostam dela”. O oficial ainda comentou que pode ser formada uma rede de apoio dentro do ambiente escolar: “Temos que implementar uma prática que chamamos de compliance escolar, onde os membros da comunidade sejam treinados e orientados para lidar com as práticas do bullying e cyberbullying. Os alunos também têm que ter um espaço para diálogo. Uma sugestão que damos é uma caixinha onde eles podem colocar bilhetinhos, onde eles podem informar se estão sofrendo ou se sabem de alguém que sofre bullying”.
Andrade Júnior ainda destacou que o bullying e o cyberbullying ainda podem gerar consequências graves, incluindo mortes. “Infelizmente, lidamos com muitas ocorrências envolvendo suicídio. O bullying pode gerar uma série de consequências graves, como depressão no aluno que está sofrendo, ansiedade, queda no rendimento escolar. Situações de revolta que podem culminar em assassinatos e até suicídios. E ele é só um dos resultados que podem acontecer com o bullying”.

Dezenas de alunos participaram da palestra (Foto: Rafael Oliveira)

Texto: Felipe Corona I Secom ALE/RO

Compartilhe:

Popular

Você pode gostar também!
Related

A Assembleia Legislativa de Rondônia (Alero) aprovou o Projeto de...

Na 429! Polícia Militar apreende 10 kg de maconha, recupera veiculo roubado e prende um dos suspeitos

A Polícia Militar de Costa Marques sob o comando...

Veja vídeo! Polícia Militar age rápido e recupera caminhonete minutos antes de atravessar para Bolívia

A Polícia Militar de Costa Marques em uma ação...
Feito com muito 💜 por go7.com.br